Perguntas Frequentes


Nas comunidades da Síria, Líbano, Egito, Líbia, países do Norte da África, Israel, Turquia, Grécia, Holanda, Iugoslávia, Gibraltar, Reino Unido, França, Itália, Croácia e muitas outras.

Não. A não ser que tenham um avô sefaradi ou sejam casados com alguém que solicitou nacionalidade portuguesa.

Sim, mas o resultado do processo ainda não é totalmente garantido.

Poder morar e trabalhar em qualquer um dos 27 países da União Europeia.

Não precisar de visto para viajar para os Estados Unidos, Canadá e muitos outros países que exigem visto para brasileiros.

Vantagens bancárias, imobiliárias e comerciais.

Uma eventual opção segura para os filhos estudarem e/ou trabalharem no exterior. Proteção ao cidadão europeu que vive fora de seu país, conforme acordos internacionais. Benefícios trabalhistas, de segurança social e saúde de bom nível.

Os governos da Espanha e Portugal afirmam desejar reparar algo do enorme equívoco que cometeram no passado. Há quem diga que existem também motivos econômicos envolvidos.

Tanto um português quanto um espanhol pode viver e trabalhar em qualquer um dos 27 países da União Europeia, como Portugal, Espanha, Itália, França, Bélgica, Holanda ou Dinamarca.

Segundo a lei espanhola, o candidato precisa passar em vários testes de conhecimento de língua espanhola. Também exige um teste de conhecimentos da cultura espanhola.

Além disso, solicita que o candidato viaje até a Espanha para finalizar o processo.

A lei portuguesa não demanda nenhum destes três requisitos.

Sim. Custos com advogados, serviços, emissão de documentos autenticados e taxas de emissão de passaporte.